Skip to main content
#
Brazilian Church AG
Biblia 

Por que ler a Bíblia, um livro do período Jurássico

Por que ler a Bíblia, um livro do período Jurássico?  É verdade, a Bíblia, o Antigo Testamento mais o Novo Testamento foram escritos cerca de três a quatro mil anos segundo pesquisadores; mas a Bíblia não é o único livro antigo, existem outros que você mesmo poderá pesquisar. Entretanto a Bíblia é o Livro dos livros ela é a Palavra de Deus. Apesar de sua idade ela fala de assuntos atuais como o melhor jornal que você acabou de ler hoje, por exemplo:
Twitter
Facebook
LinkedIn
StumbleUpon
Add to favorites
Reddit
MySpace
Portugus - Credo Apostlico 

Brazilian Church Assembly of God -Credo Apostólico e Confissão de Fé

A SAGRADA ESCRITURA é a palavra de Deus.  Esta palavra é verdadeira e infalível.  Não pode falhar.

É clara, simples e completa.  Tudo o que Deus queria que os homens conhecessem para a sua salvação, está escrito na Bíblia.  Não há necessidade de novas revelações. Toda revelação recebida por qualquer homem é mentirosa. Por isso a Escritura é a única fonte e norma para todos os ensinos da igreja cristã.  Cristo mesmo disse: "Se vós permanecerdes na minha palavra' sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" (Jo 8.31,32); "E a Escritura não pode falhar" (João 10. 35); "Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão" (Mt 24.35).

Se os homens não entendem a verdade da Sagrada Escritura é por causa de sua cegueira espiritual.  Esta cegueira - causada pelo pecado - só o próprio Deus pode tirar através de sua palavra.  Por isso Deus diz: "ó terra, terra, terra, ouve a palavra do Senhor" (Jr 22.29).

A Bíblia, escrita num período de 1500 anos, por mais de 44 escritores, na realidade tem apenas um autor: o Espírito Santo, que deu aos prof etas, evangelistas e apóstolos os pensamentos e as palavras exatas que deveriam escrever.  Esta verdade é confessada pelos escritores: "Falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito" (l Co 2.13; 2 Pe 1.21; 2 Tm 3.16).

A Bíblia se interpreta a si mesma.  O Antigo Testamento aponta para o Novo Testamento.  O Novo Testamento é o cumprimento do Antigo Testamento.  Os dois Testamentos formam um todo.  Por isso, aos que lêem a Bíblia pela primeira vez, é aconselhável que iniciem com a leitura de um dos quatro evangelhos.  Facilita a compreensão.  Nunca, porém, pode ser esquecido que todas as passagens bíblicas devem ser interpretadas à luz da obra redentora de Cristo, pois este é o conteúdo central de toda a Sagrada Escritura.

Por esta razão consta nos Estatutos  o seguinte artigo: "A BRAZILIAN CHURCH ASSEMBLY OF GOD aceita todos os livros das Sagradas Escrituras, do Antigo e do Novo Testamento como palavra infalível, revelada por Deus.  Como única exposição correta da Escritura Sagrada.não admitirá alteração alguma desta norma". 
  
DEUS

Cremos, ensinamos e confessamos que o conhecimento natural que o homem possui a respeito de Deus é imperfeito e insuficiente para sua salvação.  Conhecimento correto e salvífico o homem adquire somente pela Escritura Sagrada, na qual Deus se revela como o Deus verdadeiro: Pai, Filho e Espírito Santo.  Assim se revelou e quer ser adorado.  Qualquer outro culto é idolatria e abominação ao Senhor.
Referências bíblicas: Rm 1.19,20; 2.14,15; Dt 6.4; Mt 28.1 9; Jo. 5.23; l Co. 8.4-8. 

HOMEM

Cremos, ensinamos e confessamos que o homem foi criado por Deus conforme a imagem divina, a qual consistia em "bem-aventurado conhecimento de Deus, perfeita justiça e santidade".  Esta imagem se perdeu com a queda em pecado.  Agora o homem nasce com o pecado original, isto é, o pecado que herdamos de Adão, a completa corrupção de toda a natureza humana, agora privada da justiça original, inclinada para todo o mal e sujeita à condenação.
Referências bíblicas: Gn 1.27; 2.7, 3.1-16; SI SI.5-12; Rm S.12; SI 143.3; ls 64.6. 

PECADO

Cremos, ensinamos e confessamos que toda e qualquer transgressão da santa lei de Deus é pecado.  Cada pensamento, palavra ou ato contrário à vontade de Deus é pecado.  Cada pecado é rebelião contra Deus.  O pecado é a causa de toda a miséria neste, mundo.  O homem é responsável diante de Deus e terá que prestar contas de sua vida.  E Deus julgará a todos.
Referências bíbiicas: Ez 18.20,30; Rm 8.7; I Jo 3.4; Gn 8.4; Hb 9.27; Rm 6.23. 

EVANGELHO

Cremos, ensinamos e confessamos que Deus, em seu infinito amor, não abandonou os homens em sua ruína, mas resolveu salvá-los pela obediência, paixão e morte de seu Filho unigênito Jesus Cristo.  O evangelho é a boa notícia desta salvação.  No evangelho, Deus oferece perdão dos pecados, vida e salvação a todos os homens.  Todo o pecador arrependido, que confia nas promessas do evangelho, tem o que estas palavras lhe dizem e prometem: perdão dos pecados, vida e eterna salvação.
Referências bíblicas: Rm 1.19,20; 2.14,15; Dt 6.4; Mt 28.19; Jo 5.23; l Co 8.4-8. 

SALVADOR

Cremos, ensinamos e confessamos que Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem.  Como Filho de Deus, gerado do Pai desde a eternidade, é, em todos os sentidos, igual ao Pai e ao Espírito Santo. Como verdadeiro homem, nasceu da virgem Maria.  Nasceu sem pecados e é, em todos os sentidos, verdadeiro homem.  Como nosso substituto, cumpriu a lei Deus, padeceu por nossos pecados e por seu sacrifício e morte consumou a obra de reconciliação.  Desceu ao inferno para mostrar sua vitória sobre todos os nossos inimigos.  Pela ressurreição dos mortos, Deus declarou ter aceito o sacrifício de Jesus.  Jesus Cristo é o único Salvador da humanidade.  Fora dele não há salvação.  Jesus voltará, visível, ao mundo para julgar os vivos e os mortos.
Referências bíbiicas: Jo 1.1; Mt 1.18-25; Mt 1.18-25; l Pe 2.22; 2 Co S.19; l Jo 2.2; CI 2.15; Rm 1.14; At 10.42. 

CONVERSÃO

Cremos, ensinamos e confessamos que a conversão de um pecador compreende contrição e fé.  A conversão não é mera reforma moral ou a resolução solene de corrigir a vida, mas é completa mudança de toda a vida do homem. É o renascimento espiritual do pecador. É uma transformação milagrosa, efetuada pelo poder do Espírito Santo, operada pelos meios da graça: palavra de Deus.  Sendo espiritualmente cego, morto e inimigo de Deus, o homem não se inclina a Deus nem pode dispor-se à graça ou aceitá-la.  Por isso, a conversão é um ato exclusivo de Deus, no qual o homem é passivo. A esta graça, porém, o homem pode resistir.  A Bíblia lembra que o homem é salvo unicamente pela graça de Deus mediante a fé em Cristo e que Deus quer a salvação de todos.  O que é salvo, é salvo pela graça.  O que se perde, perde-se por própria culpa.
Referências bíblicas: Jr 31.18; Jo. 1. l 2,13; Rm 10.17; At 11.21; Ef 2.1,5. 

Cremos, ensinamos e confessamos que a fé salvadora não é simples assentimento aos ensinos da Escritura, mas é a confiança de um pecador arrependido no perdão de Cristo.  Tal fé não é um ato de obediência ou decisão da vontade humana, mas é um ato de graça divina.  Mesmo sendo um ato divino, não é o Espírito Santo quem crê em nós.  Nós cremos.  A pessoa que não tiver esta confiança em Cristo, não pode ser salva.  Permanece sob a escravidão de Satanás, sob a ira divina e caminha para a condenação infernal.  Aquele que está em Cristo, é nova criatura e busca, sob a ação do Espírito Santo, estreita comunhão com o Salvador.  Por contrição e arrependimento diários, afoga as inclinações pecaminosas de sua carne e pela graça de Cristo ergue-se diariamente para uma nova vida com Jesus.  Luta diariamente com muitas fraquezas, mas busca a perfeição em Cristo, a qual gozará na eternidade em toda a sua plenitude.
Referências bíblicas: Tg 2.19; ls 55.6,7; Mc 1,15; Jo 1.12; l Co 12.3; Rm. 10.7; At 16.31; Jo 3.36; Fp 3.14; Ef 4.15,16; Rm 12.1-3.
 

MINISTÉRIO

Cremos, ensinamos e confessamos que o ministério pastoral é um ofício ordenado por Deus para administrar publicamente a palavra de Deus.  Os ministros não constituem uma classe especial de pessoas, como os sacerdotes do Antigo Testamento.  Sendo todos os cristãos sacerdotes reais, ninguém tem o direito de sobrepor-se aos outros.  Por isso, só o chamado de uma comunidade torna alguém um ministro.  O ministro poderá exercer publicamente as funções que todos os cristãos exercem em particular.
Referências bíblicas :At 6.2; l Pe 2.9; Tt 1.5-7; At 20.17,28; l Co 14.34ss.; l Tm 2.1 1. 

BATISMO

Cremos, ensinamos e confessamos que o batismo foi ordenado por Jesus como meio da graça, pelo qual o Espírito Santo "opera a remissão dos pecados, livra da morte e dá a vida eterna a quantos crêem." Pelo batismo, as pessoas recebem a fé e se tornam filhos de Deus. Enquanto alguém permanece na fé, desfruta das bênçãos do batismo.  O batismo deve ser administrado uma vez só, em nome do Deus triúno; Pai, Filho e Espírito Santo.
Referências bíblicas: Mt 28.19; Tt 3.5; Mc 10.14; Mc 7.4; 16.16; At 22.16. 

SANTA CEIA

Cremos, ensinamos e confessamos que a Santa Ceia do Senhor foi instituida por Jesus Cristo, quando tomou os elementos pão e vinho (que não se transformam em corpo e sangue), mas que representa o Seu corpo e sangue, para remissão dos pecados. A Santa Ceia é a mesa do Senhor, ela nos certifica da nossa comunhão com Ele e com o Seu corpo (Igreja), fortalecendo a nossa esperança de ressucitarmos no dia de sua vinda.

Referências bíblicas: Mt 26.26-28; Mc 14.24; l Co 11.24-29. 

ÚLTIMAS COISAS

Cremos, ensinamos e confessamos que Deus determinou um dia, para que Jesus viesse buscar a sua igreja. Ninguém sabe quando será esse dia somente Deus sabe quando será este dia. Todos os mortos ressuscitarão primeiro e os que estiverem vivos serão transformados e juntos subirão para o encontro de Jesus nos ares. Cremos, ensinamos e confessamos que haverá também o dia do Grande Julgamento onde todos serão julgados por Jesus.  Aos incrédulos, Jesus dirá: "Apartai-vos de mim, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus seguidores." Aos fiéis, que terão um corpo glorioso, dirá: "Vinde, benditos de meu Pai e entrai no gozo de vosso Senhor que vos está preparado desde a fundação do mundo".
Referências bíblicas: Jo S.28,29; At 10.42; l Co 15.51,52; Rm 8.18; Mt 10.28; ls 66. 24; Jó 19.25-27; Mt 26.31-46; 2 Pe 3.10-13.